Comparando os principais modelos de diagnóstico de maturidade em gerenciamento de projetos

Comparando os principais modelos de diagnóstico de maturidade em gerenciamento de projetos

Não se gerencia o que não se mede, não se mede o que não se define, não se define o que não se entende, e não há sucesso no que não se gerencia(William Edwards Deming, 1900 –  1993)

Esta famosa frase do Deming, publicada na década de 50, ainda pode ser considerada super atual. Você realmente conhece a situação atual de sua empresa e seu sistema de gestão? Trazendo esse questionamento para o mundo do gerenciamento de projetos: você sabe a capacidade de sua organização gerar resultados através de projetos? Ter uma cultura organizacional de gestão implementada em, de fato contribui para a potencialização dos resultados dos projetos e da empresa como um todo. Mas como construir essa cultura? O primeiro passo é realizar um diagnóstico organizacional. E no que tange à capacidade de gerar resultados através de projetos, realizar um diagnóstico de maturidade organizacional em gerenciamento de projetos. Nos acompanhe na leitura deste texto e entenda como os diagnósticos de maturidade têm papel crucial perante ao sucesso de uma organização.

Equipe de negócios moderna multirracial, desenvolvendo a estratégia da empresa no escritório Foto Premium
A maturidade organizacional em gerenciamento de projetos representa a capacidade de uma empresa gerenciar seus projetos com efetividade.

Hoje em dia algumas organizações realizam uma grande quantidade de projetos, seja para aumento da capacidade produtiva, redução de custos, desenvolvimento de novos produtos e serviços, atendimento às normas regulamentadoras ou até para implementação de novas tecnologias. Estes projetos, entretanto, não devem ser realizados ao acaso, mas como um desdobramento das necessidades e estratégias do negócio. Desta forma, a empresa obterá melhores resultados, melhor rendimento e aumento da vantagem competitiva sobre seus concorrentes. A maturidade organizacional em gerenciamento de projetos representa a capacidade de uma empresa gerenciar seus projetos com efetividade. No mercado são disponibilizadas algumas ferramentas que possibilitam este diagnóstico da maturidade de maneira efetiva. Os diagnósticos englobam o entendimento e a determinação do nível de maturidade da organização em relação ao gerenciamento de seus projetos, programas e portfólios, além de processos e métodos utilizados. Dentre os diagnósticos disponíveis no mercado atualmente, escolhemos alguns para listarmos e te instruirmos sobre esse tema que é tão importante em meio ao ambiente organizacional:


CMM
O modelo CMM, Capability Maturity Model, foi desenvolvido pelo Software Engineering Institute da Universidade Carnegie Mellon (CMU), em Pittsburgh, EUA, por um grupo de especialistas em software. A primeira versão do Modelo foi lançada em meados de 1991.
Ele surgiu por conta da necessidade de contemplar uma demanda vinda do governo norte-americano de desenvolvimento de uma metodologia para avaliar a capacitação de seus fornecedores de software.

Componente imprescindível: Análise da estrutura empresarial por meio dos processos organizacionais a fim de buscar potencialidades para serem analisadas e desenvolvidas.
Base: Divide-se em 5 etapas: Inicial, Repetível, Definido, Gerenciado, Otimizado.
O que difere: Procura desenvolver potencialidades em 4 grupos: gestão de processos, gestão de projetos, gestão de engenharia e gestão de suporte.
Restrições: Enfoque em desenvolvimento de software, tendo pouca consideração com a diversidade das organizações e empresa de porte menor.

OPM3
O OPM3 é um padrão mundialmente reconhecido de melhores práticas para avaliar e desenvolver capacidades organizacionais na Gestão de Projetos, Programas e Portfólios. A ferramenta representa um guia para se atingir a maturidade organizacional em projetos. OPM3® é a sigla para “Organizational Project Management Maturity Model ”, um produto desenvolvido pelo PMI® que fora lançado no mercado no final de 2003.

Componente imprescindível: Coletivo de conhecimentos agregados provenientes das boas práticas vindas do sucesso em organizações.
Base: É formado por 3 elementos principais: Conhecimento, Avaliação e Melhoria.
O que difere: Alinhamento estratégico entre a estrutura organizacional e a realidade atual.
Restrições: A falta de estrutura em níveis dificulta medir hierarquicamente a maturidade.

MMGP
MMGP significa Modelo de Maturidade em Gestão Projetos, desenvolvido pelo Darci Prado e Russell D. Archibald , que tem o intuito de ajudar as equipes de gerenciamento de projetos a avaliar a maturidade das organizações que utilizam os seus serviços e propor um plano de crescimento.

Componente imprescindível: É formado por um questionário de diretrizes para efetuar o diagnóstico e consequentemente estruturar um plano de evolução.
Base: Divise-se em 5 etapas: Inicial, Conhecido, Padronizado, Gerenciado, Otimizado.
O que difere: É um modelo departamental, ou seja, pode ser aplicado a um departamento ou setor isolado de uma organização.
Restrições:  Modelo que enfatiza análise setorial, perdendo assim seu controle de análise corporativa.

CBP
Na década de 90, foram surgiram diversos modelos para avaliar a maturidade das organizações em Gerenciamento de Projetos. E quase todos foram inspirados no modelo de maturidade em desenvolvimento de software (SW-CMM), e um dos que se destaca é o CBP, que significa CBP: Center For Business Practices.

Componente imprescindível: Diagnóstico de maturidade feito a partir da avaliação dos processos e padrões em cada área de conhecimento para se avaliar a maturidade global.
Base: Divide-se em 5 etapas: Linguagem Comum, Processos Comuns, Metodologia Exclusiva, Análise Comparativa e Melhoria Contínua.
O que difere: Diagnóstico segmentado por 9 áreas de conhecimento: Integração, Escopo, Cronograma, Custos, Qualidade, Recursos Humanos, Riscos, Aquisições e Comunicação.
Restrições: Dificuldade de se integrar com as análises em cada área mediante a realização de um planejamento estratégico global holístico.

KPMMM
A metodologia KPMMM® foi proposta por Kerzner em 1999, ajustada em 2001 e em 2005 com publicação de livros específicos para divulgá-la. Este modelo propõe cinco níveis de diagnóstico de maturidade só que com alguns conceitos similares. De acordo com Carvalho e Rabechini (2008), a abordagem KPMMM® de Kerzner (2005) foi originalmente desenvolvida em 2000 e 2001, a partir dos esforços de Kerzner para adaptar o modelo CMM® para a gestão de projetos.

Componente imprescindível: Utiliza o benchmarking para mensuração baseado em comunicação, visibilidade, consistência e controle.
Base: Divide-se em 5 etapas: Linguagem Comum, Processos Comuns, Metodologia Única. Análise Comparativa e Melhoria Contínua.
O que difere: Ciclo constante de feedback entre os níveis a fim de atingir a excelência.
Restrições: Pouca ênfase nas equipes de projetos.


Empresários, apertando as mãos após a reunião em um café Foto Premium



A cada dia que passa o gerenciamento de projetos vêm ganhando notoriedade pelas organizações por conta de sua eficiência, porém não somente no âmbito da realização de projetos isolados e sim como parte de um dos objetivos das empresas como um todo. Ademais, verifica-se que o modo como os modelos de maturidade são utilizados têm suma importância para que as organizações consigam otimizar o processo evolutivo em sua maturidade e consequentemente otimizar também o seu nível de sucesso em projetos. Quando o assunto tratado é sobre os modelos de maturidade, as comparações feitas acima mostraram que as estruturas dos cinco níveis se apresentam bem consolidadas e utilizadas por grande parte dos modelos mostrados, com suas respectivas características individuais. Sendo assim, conclui-se que mesmo havendo equivalência entre os modelos de maturidade, cada um possui suas individualidades e devem ser utilizados de acordo com o contexto de cada empresa e seus respectivos objetivos estratégicos. Nós, da Sigma Gerenciamento de Projetos fazemos uso das ferramentas listadas acima e garantimos que nossa consultoria será aplicada da melhor forma possível a fim de potencializar os resultados de sua empresa.

 

Deixe uma resposta